Você está aqui
Home > Outras categorias > Dakar: Brasileiros superam altitude para chegar à Bolívia

Dakar: Brasileiros superam altitude para chegar à Bolívia

Foto: Gustavo Epifânio
Foto: Gustavo Epifânio

Já não fossem suficientes as dificuldades naturais de um rali, o Dakar sempre tem ingredientes que surpreendem os competidores a cada quilômetro. Na etapa de hoje, a primeira na Bolívia, a Equipe Mitsubishi Petrobras enfrentou a altitude de 4.600 metros, o frio e até a neve, que deixaram o trecho muito liso e cheio de dificuldades.

João Franciosi e Gustavo Gugelmin completaram os 327 km do trecho cronometrado em 4h11min15, na 31a posição.

“Foi uma especial muito dura, completa, teve de tudo. Começamos por um rio seco, que não estava seco e tinha muita pedra. Ficavamos escolhendo um lugar pra passar. Depois vieram os abismos e a chuva. Depois choveu pedra, nevou e voltou a chover bastante”, descreve Franciosi, que participa de seu primeiro Rally Dakar. “O bom foi chegar em Uyuni com uma grande recepção do público”, afirma.

O Rally Dakar saiu da Argentina e entrou na Bolívia. O dia teve um total de 642 km com os primeiros trechos fora de estrada, que exigiram muita atenção na navegação.

“Foi uma especial diferente, com muitas condições climáticas em um só dia: neve, chuva, sol, altitude”, comenta Gustavo Gugelmin. “Mas os dois dias da maratona estão cumpridos. Agora os mecânicos vão dar um trato no ASX Racing para os próximos dias de prova”, completa o navegador

Devido ao gelo e neve na especial, Carlos Sousa e Paulo Fiuza escaparam em uma curva e caíram em um barranco. O carro ficou preso e não conseguiram mais continuar na prova, sendo obrigados a abandonar a competição.

“Tínhamos ultrapassado vários carros e seguíamos em um bom ritmo na especial. Só que, de repente, começou a chover intensamente, depois veio o granizo e o vidro embaçou totalmente, deixando-nos quase sem visibilidade. Diminui o ritmo para o Paulo Fiuza poder liimpá-lo, só que, em menos de dois segundos, estávamos com o carro fora de pista, junto a um precipício e pendurados em duas pedras. O Franciosi ainda tentou nos ajudar, só que na posição em que o carro ficou, não tinha como nos tirar de lá”, disse Carlos Sousa. “Com zero grau e a 4.000 metros de altitude, começamos a passar um pouco mal. Foi então que os médicos da prova chegaram e insistiram para abandonássemos o local, porque não nos deixariam passar a noite ali. Fomos de helicóptero até ao acampamento, tristes e desolados pelo desfecho. Mas realmente, este não era mesmo o nosso Dakar”, lamentou o piloto.

Etapa 6 – 07 de janeiro
Uyuni – Uyuni (BOL)
Deslocamento: 181 km
Especial: 542 km
Total: 723 km

O dia será duro para a Equipe Mitsubishi Petrobras na sexta etapa do Rally Dakar, com uma especial longa, de 542 quilômetros. A prova entre 3.500 e 4.200 metros de altitude. O ritmo e o terreno mudam constantemente, alternando-se entre areia e pedras, o que pode ser um dificultador, especialmente em caso de chuva. O destaque fica para o Salar de Uyuni que, além da beleza, terá altas velocidades.

Deixe uma resposta

Top